Servidores passam a noite na Praça da Matriz para acompanhar votação de pacote do funcionalismo

Projetos que alteram carreiras e aposentadorias começam a ser apreciados nesta terça-feira 
Bibiana Dihl / Agência RBS
Faixas e sinalizações feitas por servidores na Praça da Matriz na manhã desta terça-feiraBibiana Dihl / Agência RBS

Em uma das esquinas da Praça da Matriz, no centro de Porto Alegre, um pacote embrulhado chama a atenção pela inscrição: “Pacote da morte”. Essa é uma das dezenas de sinalizações colocadas no entorno dos poderes Executivo e Legislativo por servidores que passaram a noite em barracas para acompanhar a votação do projeto do funcionalismo, que vai a plenário nesta terça-feira (28)

O objetivo da ação é manter a mobilização contra as propostas apresentadas no ano passado pelo governador Eduardo Leite. A maioria das pessoas presentes é ligada a sindicatos que representam professores, policiais civis e policiais militares, entre outras categorias. 

O sargento da reserva Sidnei Moisés Costa dos Santos, 54 anos, passou a noite em uma barraca entre o Palácio Piratini e a Assembleia Legislativa com a esposa Eunice Anaurelina Fagundes dos Santos, 65 anos, técnica em enfermagem aposentada. 

Do lado de fora do lar temporário, uma inscrição diz “Veteranos da BM na luta por dignidade”:

— Estamos desde domingo aqui, esta é a segunda noite. Estamos mobilizados para combater este pacote de maldades. Se não nos mobilizarmos para sensibilizar os deputados, não vamos recuperar as perdas dos governos (José Ivo) Sartori e Leite. 

A professora Tânia Regina de Oliveira, 65 anos, também passou a noite na praça. Educadora em Capão do Leão, ela permaneceu no local com pelo menos outros 20 servidores que vieram do sul do Estado.

— Como não tinha como voltar para casa e retornar para cá hoje, já passamos a noite por aqui. Já tínhamos passado a noite da outra vez. Não ficamos com medo, porque várias pessoas ficam aqui. Esperamos que isso possa ter efeito na votação.

Um grupo de policiais militares, a trabalho, se concentra em frente ao Palácio Piratini. Também há um bloqueio na Rua Duque de Caxias para evitar invasões ao local. Até as 7h30min, no entanto, não havia nenhum tipo de protesto na região.

Bibiana Dihl / Agencia RBS
Faixas foram colocadas em frente ao Palácio Piratini