Cage reúne-se com servidores da Brigada Militar em mais uma ação para qualificar a gestão dos custos do RS

sefaz cage grupos setoriais
O sistema dá acesso a uma série de painéis que congregam e organizam os registros de diversos outros sistemas do Estado – Foto: Divulgação/Sefaz/CageDownload HD

Neste período de escassez de recursos, a Cage aposta na orientação e conscientização dos integrantes dos grupos setoriais de custos (GSC) para otimizar a gestão do erário do Rio Grande do Sul. Por isso, os colegas da Divisão de Custos e Controles Especiais (DCC) reuniram-se com os servidores da Brigada Militar, membros do seu GSC, na tarde dessa quarta-feira (25), no auditório da BM, para apresentar-lhes o Cage Gerencial, uma ferramenta desenvolvida pela Divisão que pode contribuir para uma análise mais técnica dos custos das entidades e órgãos gaúchos.

O sistema dá acesso a uma série de painéis que congregam e organizam os registros de diversos outros sistemas do Estado, como FPE e RHE, de forma amigável e intuitiva. Os auditores da DCC que idealizaram e administram os painéis de custos destacam que a funcionalidade busca atender não só às necessidades da Cage, mas também dos órgãos controlados, estando em permanente aprimoramento.

São disponibilizadas consultas tanto em nível gerencial, envolvendo temas como execução orçamentária, convênios e diárias, quanto no nível Custos RS, que englobam, por exemplo, dados de contratos de terceiros, locações, recursos humanos e consumo de materiais. Os usuários podem visualizar gráficos e tabelas de informações globais e ainda aplicar filtros para análises e extrações mais específicas.

Segundo a chefe da DCC, Liege Munhos de Campos, a proposta da Cage é fortalecer a atuação dos GSCs das unidades para auxiliar a gestão e, consequentemente, qualificar o uso do recurso público de modo geral. “Queremos compartilhar uma forma para que cada órgão e entidade possa trabalhar seus números e, a partir da realidade própria, avaliar possibilidades de redução de gastos e aprimoramento de processos. A Administração Pública pode amparar a elaboração do orçamento com base real, e a tomada de decisão em dados objetivos, com consequente qualificação do serviço público prestado ao cidadão”, resumiu.

Para o major André da Cunha Euzébio, chefe da Assessoria de Controle Interno da BM, este trabalho mostra a preocupação dos servidores com os recursos do estado. “Certamente a ferramenta nos ajudará muito na gestão dos nossos custos”, concluiu.

Embora a realização de palestras e encontros para trocas de experiências e boas práticas seja, há anos, uma atividade permanente na Cage, desde agosto estas ações foram intensificadas. Nos últimos dois meses, representantes da Subsecretaria já apresentaram o Cage Gerencial para 11 entidades da Administração Indireta e para 18 órgãos da Administração Direta.

Na última quinta-feira (19), uma reunião com este propósito foi realizada com servidores da Casa Civil. “Os gráficos possibilitam uma leitura bem fácil. É o que a gente precisava.”, afirmou um dos servidores órgão, que referiu realizar manualmente muitas análises que o sistema traz de forma automática e ilustrativa.

De acordo com os colegas da DCC, a aceitação das demais instituições também tem sido muito positiva. “A Fase é um local que já está bastante apropriado de seus custos atuais e de suas possibilidades de economia, tendo realizado todo o orçamento para 2020 com base no trabalho efetuado pelo grupo setorial da Fundação”, exemplificou Liege. Graças ao trabalho conjunto das Seccionais e Setoriais da Cage e dos órgãos, houve ainda relatos de revisão de contratos de aluguéis e de contas com valores bastante expressivos.

A participação ativa da Cage também vem contribuindo para dar maior transparência acerca da gestão do erário. Em 2017, foram publicados no Portal da Transparência e inseridos nas Contas da Gestão 13 relatórios de análise de custos e produtividade emitidos por GSCs, ao passo que em 2018 o número cresceu para 28. E o ganho não foi só quantitativo: “A cada ano os documentos estão mais consistentes”, acrescentou a gestora da DCC.

Além da equipe da Brigada Militar, da Casa Civil e da Fase, já participaram desta reunião de orientação da Cage os GSCs dos seguintes órgãos e entidades: Secom, Seplag, SEL, STAS, CBM, SEAPDR, IGP, TCE, Susepe, Sema, DPE, SGGE, Casa Militar, SSP, SES, PC, Junta Comercial (JUCIS), Metroplan, Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS), UERGS, Fepam, Fapergs, Detran, Fospa, Agergs, FETLSVC. Também já estão agendados encontros com o Daer e com a PGE.  A previsão é de que as visitas se estendam até o mês de outubro.

Texto: Ascom Fazenda