Afisvec aposta em energia renovável

Pensando em gerar economia e sustentabilidade, a Afisvec está implantando um sistema de energia fotovoltaica em sua sede social. As placas solares serão instaladas no teto do prédio que abriga a quadra de bocha e o pádel. A previsão é de pleno funcionamento já em novembro deste ano.

Presidente da Afisvec, Marcelo Mello e representante da empresa Solaire, Gisele
Foto: Jéssica Roloff/ Ascom Afisvec

A instalação está prevista para iniciar em cerca de 30 dias. No momento está sendo feito o projeto técnico da obra.  Serão em torno de 190 módulos de placas fotovoltaicas, gerando uma economia estimada em 80% no custo com energia elétrica das duas sedes. As placas serão interligadas com a rede convencional, fazendo com que a energia produzida durante o dia seja usada para abater o consumo do mês e, em caso de geração excedente, seja “armazenada” na forma de créditos para uso em até 5 anos.

Imagem de Ulrike Leone por Pixabay

A energia solar fotovoltaica é aquela na qual a irradiação solar é transformada diretamente em corrente elétrica, sem passar pela fase de energia térmica. A geração ocorre quando os fótons (partículas de luz solar) colidem com os átomos do material do painel, provocando assim o deslocamento dos elétrons e, por consequência, a corrente elétrica que carrega uma bateria.

O sistema fotovoltaico não requer alta irradiação solar para funcionar. Contudo, a quantidade de eletricidade gerada depende da densidade das nuvens, de forma que um número alto de nuvens pode resultar em uma menor produção de luz em comparação a dias de céu completamente aberto.

De acordo com o diretor de patrimônio da Afisvec, Leocádio de Souza, o investimento feito na obra terá retorno em cerca de três anos, e a vida útil do sistema é de, no mínimo, 25 anos. A empresa responsável pelo projeto é a Solaire Energia Solar, que atua há três anos no mercado.

Além dessa, outras obras estão em andamento na sede da Cavalhada, são elas: o amortecimento das águas pluviais, as instalações hidrossanitárias e o PPCI, para a obtenção do habite-se. Tais obras servem para garantir a segurança dos usuários e trazer melhoras ao ambiente.

Texto: Jessica Roloff

Edição: Gilvânia Banker