Palestra sobre a importância do fator humano na administração tributária encerra 4º Congresso

“Não há modelo de tributo eficiente sem o fator humano na sua aplicação”, afirmou o Professor Heleno Torres na última palestra do 4º Congresso Luso-Brasileiro. Com o tema “A importância do elemento humano na Administração Tributária do século XXI”, o palestrante destacou que, apesar da informatização e do crescimento da tecnologia, a inteligência humana ainda se sobrepõe na realização dos processos.

“Em uma era de amplo uso de inteligência artificial e da alta tecnologia, a inteligência humana, aquela dos sentimentos, das relações, da integração com os demais órgãos do Estado e com a própria sociedade civil continua a prevalecer. Muito se falou da informatização, da reforma dos tributos, mas não podemos esquecer do fator humano”, afirmou Torres.

O professor pontuou também o quanto a troca internacional de informações é necessária para evitar tratamentos divergentes entre fisco e contribuintes. “Quantos municípios e estados estão aproveitando essa onda, solicitando na Receita Federal a complementação de dados sobre contribuinte em caso de prestações de serviços, ou em caso de troca de mercadorias? É preciso utilizar adequadamente essa economia globalizada em favor desses êxitos para eliminar a sonegação fiscal, garantir a isonomia e criar as condições de uma relação harmoniosa com o contribuinte”.

Dentre os pontos apresentados, Torres ainda pontuou sobre desvalorização dos servidores mais experientes. “O pior que pode acontecer na administração pública é a perda dos mais experientes. Nós temos é que aprender com eles. Há também outras questões como a falta de estímulo do servidor, por exemplo. E é aí que a administração tributária precisa ser inclusiva, criar condições para que eles sejam bem aproveitados com sua experiências e, mais do isso, criar mecanismos para compartilhar suas experiências com os mais jovens”, disse.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Em seguida, os presidentes das entidades realizadoras e da Afresp, fizeram suas considerações finais sobre o evento. Na ocasião, o presidente de honra da Febrafite, Roberto Kupski, anunciou a diretoria eleita da Rede Ibero-Americana de Auditores Fiscais, das quais fazem parte a Febrafite, APIT e Unafisco. Nuno Barroso, presidente da entidade portuguesa, aproveitou a oportunidade para lançar o próximo Congresso Luso-Brasileiro de Auditores Fiscais, que ocorrerá em Portugal, na cidade de Algarve, em 2020.

Fonte: Afresp