15.2Porto Alegre

quarta-feira, 28 setembro 2022

  • Home
  • /
  • Governo do Estado
  • /
  • “É algo que pode ser pensado”, diz Eduardo Leite sobre convocação extraordinária da Assembleia

“É algo que pode ser pensado”, diz Eduardo Leite sobre convocação extraordinária da Assembleia

Compartilhe

Em entrevista ao Gaúcha Atualidade, governador eleito falou sobre aprovação de futuras emendas e definição da manutenção do ICMS na terça-feira (18)

Prestes a ter a definição sobre o futuro da manutenção das alíquotas de ICMS — capaz de irrigar os cofres em R$ 3 bilhões anuais —  o governador eleito Eduardo Leite (PSDB)afirmou, em entrevista ao Gaúcha Atualidade desta segunda-feira (17), que não exclui a possibilidade de convocar uma sessão extraordinária da Assembleia Legislativa para aprovar emendas.

— É algo que pode ser pensado e nós discutimos. Estamos fazendo essa análise com muita cautela. Temos que respeitar a nova constituição da Assembleia e estamos definindo os projetos que vão ser encaminhados no início do governo. Vamos identificar se isso deve acontecer ainda em janeiro ou se esperamos a nova constituição da Assembleia.

— Estamos muito confiantes na votação. Logo depois que fui eleito, uma das iniciativas foi de ir na Assembleia, ir nas bancadas, conversar com os partidos. É uma questão de responsabilidade com o futuro do Estado a necessidade de manter (as alíquotas elevadas) nos próximos dois anos, é o nosso compromisso — afirmou o governador eleito.

Eduardo Leite lembrou que a perda da arrecadação dificultaria ainda a entrada do Estado no regime de recuperação fiscal e definiu: “A perda seria dupla”.

Questionado sobre o quão importante é a manutenção do imposto para a população, governador eleito elencou as dificuldades do próximo ano devido à crise nas contas públicas:

— Nós vamos assumir um governo que terá duas folhas salariais em aberto, que vão ser pagas com recursos de 2019. Há uma dívida na saúde, que alcança mais de R$ 800 milhões, já há o parcelamento do salário para servidores, o atraso para fornecedores. Tudo isso também tem um reflexo na economia, na qualidade do serviço e do potencial de consumo dos próprios funcionários públicos que não conseguem planejar uma compra.

Fonte: Zero Hora

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS


Compartilhe